Instituição de ensino:

Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Programa:

Ciências Humanas

Autor:

Elaine Meire Vilela

Titulação:

Doutor

Ano de defesa:

2008

Link:

http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/VCSA-874KJ4/tesefinal_elaine.pdf?sequence=1 

Resumo:

Esse estudo tem por objetivo central responder as seguintes questoes: a) comparado aos brasileiros, estao os imigrantes internacionais inseridos em piores situacoes no mercado de trabalho, isto e, estao em ocupacoes instaveis, com mas condicoes de trabalho e de mais baixos rendimentos? b) ate que ponto as variaveis de capital humano, de capital cultural e de capital social sao importantes na definicao do posicionamento dos imigrantes internacionais e de seus rendimentos no mercado de trabalho brasileiro? Para obter respostas a estas questoes, a proposta e analisar a insercao de argentinos, bolivianos, chilenos, paraguaios, peruanos, uruguaios, chineses e coreanos, comparados aos brasileiros nao-migrantes e migrantes, no mercado de trabalho brasileiro. Os dados, para a producao dessa analise, sao oriundos de uma sub-amostra do Censo Demografico de 2000 (IBGE). As tecnicas estatisticas fundamentam-se em analises de regressoes logistica, Heckman e linear. Verificamos que, comparados aos brasileiros, particularmente aos brasileiros nao-migrantes, os imigrantes internacionais tem status ocupacionais superiores e rendimentos medios maiores. Podemos afirmar que a origem dos imigrantes internacionais afeta, positivamente, a insercao e a localizacao e os rendimentos no mercado de trabalho brasileiro e, nos casos de coreanos, de chineses e de argentinos o efeito e altamente positivo. Entretanto, quando comparados aos brasileiros migrantes, os uruguaios, os bolivianos e os paraguaios recebem menos rendimentos por mes, uma vez que a origem/nacionalidade desses imigrantes afeta negativamente os seus salarios mensais no mercado de trabalho brasileiro. Quanto aos determinantes da localizacao nos setores do mercado de trabalho, dos status e dos rendimentos, verifica-se que as variaveis de capital humano nao apresentam os efeitos esperados. Apenas educação mostra significancia estatistica positiva para todos os grupos analisados. Ja experiencia no mercado de trabalho tem efeito contrario, isto e, negativo. As variaveis proxies de capital cultural e capital social nao apresentaram regularidades de efeito e direcao (se positivo ou se negativo) para os grupos em analise.

Orientador:

Jorge Alexandre Barbosa Neves

Palavras-chave:

imigrantes internacionais; mercado de trabalho brasileiro; brasileiros nao-migrantes; migrantes