Instituição de ensino:

Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Programa:

História

Autor:

Maria Antônia Girardello Gatti

Titulação:

Mestre

Ano de defesa:

2013

Link:

https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/107177/319292.pdf 

Resumo:

Este trabalho buscou analisar as relações entre política e literatura em diferentes instâncias da Política de Boa Vizinhança, exercida entre Brasil e Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. O fio condutor foram as duas viagens de Erico Verissimo para os Estados Unidos, em 1941 e 1943. Partindo-se de uma abordagem materialista da literatura ao analisar as narrativas de viagem feitas pelo romancista, levou-se forma e conteúdo das obras, considerando-as determinadas pelo seu tempo. A análise da literatura de viagem ofereceu um ponto de vista diferenciado ao discurso oficial da Boa Vizinhança, que foi inserido num contexto de ambiguidade nas relações entre os intelectuais e o Estado Novo. Adicionando-se ao estudo destas viagens as investigações do FBI e do DOPS a respeito do posicionamento político do autor e sua obra, e as correspondências da embaixada estadunidense no Brasil e da imprensa da época, pôde-se compreender a formação de fortes vínculos entre as esferas política e cultural, num diálogo entre os dois países que foi pautado no panamericanismo e no anticomunismo. Tal situação coincidiu ainda com os esforços para a construção de uma identidade nacional brasileira, o que pode ser observado na obra de Veríssimo que visa ensinar literatura brasileira para estadunidenses durante a guerra.

Orientador:

Adriano Luiz Duarte

Palavras-chave:

Erico Veríssimo; Política da Boa Vizinhança; literatura; polícia política