Instituição de ensino:

Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Programa:

Ciência Política

Autor:

Juliana Santos Maia Bertazzo

Titulação:

Mestrado

Ano de defesa:

2008

Link:

 

http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/zeus/auth.php?back=http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000359349&go=x&code=x&unit=x

Resumo:

 O tema desta dissertação é a definição de missões ou papéis para as FQrças Armadas brasileiras, especialmente o Exército, no período pós-Guerra Fria. Durante a Guerra Fria, o papel dos militares no Brasil era conter "a ameaça comunista", segundo a diretriz passada pelos Estados Unidos, o chefe do bloco capitalista no confronto ideológico. A luta contra esse inimigo interno incentivou sua participação na política, levando os militares a, inclusive, exercer o controle do governo. Passado o período do governo autoritário e, principalmente, com o fim da bipolaridade da Guerra Fria, criou-se um novo cenário político-estratégico no mundo. Nesse cenário, a hipótese de uma nova guerra mundial, como a que se previa anteriormente, já não se sustentava, e tampouco se matinha a hipótese de um conflito regional envolvendo diretamente o Brasil. Novas ameaças, como o tráfico de drogas, o crime organizado, a imigração descontrolada e a degradação ambiental voltam a atenção dos países centrais para a periferia do sistema. Centros formuladores de políticas sugerem a redução de contingentes e dos investimentos em defesa, e lançam diretrizes para o emprego das forças armadas do então chamado "Terceiro Mundo". Dentre tais diretrizes, temos a atribuição de uma tarefa policial às forças armadas, de combate ao narcotráfico e desordens urbanas. Paralelamente, as Forças Armadas brasileiras enfrentam a gradual erosão de seu poder dentro do governo e do Estado. Essa crise afeta as Forças Armadas enquanto instituição, agora em busca de um novo posicionamento em relação ao ambiente democrático. O estudo desenvolvido procurou apreender a dimensão da adaptação dos militares, especialmente os do Exército, à nova realidade do referido período, partindo da premissa de que os militares encontraram formas alternativas de defender seus interesses para enfrentar os desafios que se apresentam.

Orientador:

Eliézer Rizzo de Oliveira

Palavras-chave:

Exercito; Militares; Brasil; Pós-Guerra Fria