Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Palácio do itamaraty

O Palácio Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores de 1899 a 1970, foi construído em meados do século XIX. Situado no número 196 da Avenida Marechal Floriano, no Rio de Janeiro, na época chamada de Rua Larga de São Joaquim, o palacete cor-de-rosa foi encomendado por Francisco José da Rocha (1806-1883), conde de Itamaraty, bem-sucedido comerciante de café e pedras preciosas. A construção do palácio da Rua Larga foi concluída em 1854 e assinada por José Maria Jacinto Rebelo, discípulo de Grandjean de Montigny.

Em 1889, a casa foi vendida ao governo republicano e ocupada pela Presidência até tornar-se a sede do Ministério das Relações Exteriores. A partir de então, seria de tal modo identificada com a diplomacia brasileira que acabou por lhe ceder o próprio nome: o Itamaraty.

Raro exemplar de arquitetura neoclássica, o palácio possui rica decoração interior, um jardim interno e um espelho d´água orlado por duas alas de palmeiras imperiais centenárias. Um dos primeiros imóveis tombados pelo patrimônio histórico, sedia hoje o Escritório de Representação do MRE, o Museu Histórico e Diplomático, o Arquivo Histórico, a Biblioteca Histórica e a Mapoteca Histórica do Itamaraty, ademais do Centro de História e Documentação Diplomática (CHDD).

O Prédio da biblioteca do Itamaraty

A grande remodelação por que passou o Palácio Itamaraty e a construção de um novo prédio para a Biblioteca, entre 1927/30, incluiu o espaço emblemático da diplomacia brasileira no plano Agache, que transformou as feições da então capital federal, com a abertura da Avenida Presidente Vargas e as construçõesart-déco, tão em voga. No ensejo do novo plano urbanístico, o Palácio Itamaraty se transformou num imenso canteiro de obras. Era mister adaptar aquele espaço às novas exigências organizacionais e técnicas daquele momento. Esforços não foram poupados para a conclusão do prédio da Biblioteca, construído com sofisticada tecnologia – da Inglaterra, vieram as janelas e portas pré-fabricadas em ferro e bronze; da Alemanha, a instalação metálica dos arquivos, a ventilação artificial e um maquinário de desinfecção do acervo em papel, à base de gases especiais; dos Estados Unidos, as ferragens, o novíssimo piso de linóleo e uma aparelhagem destinada a refrigerar a água potável dos bebedouros disponíveis em todas as seções. A ideia era que aquela construção fosse uma referência, um modelo, e refletisse o momento de modernização e racionalidade administrativa.

Para a execução da obra, foi organizado um concurso público, a pedido do Itamaraty, pelo Instituto Central dos Arquitetos do Brasil. Oito projetos participaram desse concurso, tendo vencido o de autoria dos arquitetos Robert Prentice e Anton Floderer, o primeiro de origem escocesa e o segundo austríaco. Ambos os arquitetos eram bem sucedidos profissionais em seus respectivos países. Sabe-se que Prentice assinou projetos importantes no Rio de Janeiro, como a Estação da Leopoldina, e Floderer foi o autor do projeto do elevador Lacerda, em Salvador. Para a execução da obra do prédio da Biblioteca foi contratada a firma de engenharia Pedro Latif e Cesar Mello e Cunha, a decoração interna ficou a cargo da firma Laubsch & Hirth, uma das mais conceituadas da época. O novo prédio foi inaugurado em 14 de agosto de 1930 com grande repercussão e foi visitado, no mês que se seguiu, por mais de trinta mil pessoas.

Desde então, o prédio abriga os acervos documentais do Ministério das Relações Exteriores, que são as principais fontes da história diplomática brasileira. Não por acaso, o Centro de História e Documentação Diplomática tem ali sua sede.

Fachada do Palácio do Itamaraty, hoje museu histórico e diplomático
Estátua do Barão do Rio Branco, em mármore de Carrara, por Félix Maurice Chapentier, Paris, França, Séc. XX, Jardim de entrada do Palácio do Itamaraty
Fachada posterior do Museu Histórico e Diplomático
O Prédio das Cavalariças, desde 1987, abriga em seu piso térreo o Centro de Informações da ONU (UNIC-Rio)
Prédio das Cavalariças
Prédio construído em 1908, na gestão do Barão do Rio Branco, hoje Escritório de Representação do Ministério das Relações Exteriores no Rio de Janeiro - ERERIO
Prédio da Biblioteca, construído entre 1927-1930, segundo projeto vencedor de concurso nacional
Prédio da Biblioteca
Fachada do Salão de Conferências do prédio da Biblioteca
Hall do Salão de Conferências. "S.A., o Conde d'Eu em Campo Grande, Guerra do Paraguai" por Charles Steffeck, óleo (s.d.)
Balaustrada da varanda do CHDD, arenito
Visão geral do prédio interno do Itamaraty

O Palácio do Itamaraty Ontem

Antigo prédio da Biblioteca, 1906
Fachada posterior do Palácio, adaptada com varanda de acesso ao Prédio das Cavalariças (fins do séc. XIX - início do séc. XX)
Prédio das Cavalariças adaptado, no final do séc XIX, para receber as seções do Ministério das Relações Exteriores
Jardim interno no início do séc. XX
Jardim interno do Palácio no início do séc. XX
Fachada do Palácio Itamaraty em 1912

registrado em:
Fim do conteúdo da página