Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

 

Teses e dissertações de 2009

  

O Centro de História e Documentação Diplomática assinala que os conceitos e opiniões expressos nos trabalhos listados a seguir são de exclusiva responsabilidade de seus autores.


Título: Imigração, Negócio e Poder: o Comerciante Português como Agente Dinâmico das Relações Internacionais Brasil-Portugal (1850/1889)
Ano: 2009
Instituição: UERJ
Orientadora: Lená Medeiros de Menezes.

Título: A Operação Pan-Americana: Uma discussão da relação entre política interna e política externa no governo Juscelino Kubitschek
Ano: 2009
Instituição: UERJ
Orientadora: Miriam Gomes Saraiva.

Título: Acordo Nuclear Brasil-Alemanha Federal de 1975: a questão nuclear na estratégia de valorização internacional brasileira no contexto do Pragmatismo responsável do governo Geisel
Ano: 2009
Instituição: UERJ
Resumo: Esta dissertação analisa a circunstância conjuntural interna e a externa que viabilizaram a assinatura do Acordo de Cooperação no Campo dos Usos Pacíficos da Energia Nuclear entre os governos de Brasil e Alemanha Federal em 1975. Nossa pretensão é de resgatar o tratamento da questão nuclear no Brasil, a partir da introdução dessa temática no mundo, ou seja, a partir de 1945, até o final do governo Geisel, em 1979. Enfatizamos a realização do acordo nuclear teuto-brasileiro, que, aparentemente, materializaria o desejo do regime militar brasileiro de tornar o Brasil um país nuclearizado. A pesquisa apresenta, ainda, as relações políticas divergentes entre Washington e Brasília durante o governo Geisel, cuja trajetória de desgastes tornou-se a mais acentuada da história na relação entre os dois países. A conclusão obtida valeu-se de argumentos que foram amparados no exame da cronologia acima delimitada, através da perspectiva das relações internacionais e sob as orientações de economia e política externa concebidas pelo governo Geisel.

Título: A política Externa do Brasil para a Mudança do Clima: da fase romântica ao pragmatismo
Ano: 2009
Instituição: UERJ
Orientadora: Miriam Gomes Saraiva

Título: Caravelas de Papel: A Política editorial do Acordo Cultural de 1941 e o pan-lusitanismo (1941-1949)
Ano: 2009
Instituição: UFMG

Título: Relações militares no cone sul: da rivalidade à cooperação na área de segurança (1964 – 2007)
Ano: 2009
Instituição: UNESP
Resumo: A tese apresenta as relações militares que se estabeleceram entre os Estados do Cone Sul (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai) a partir da década de 1960 com o objetivo de analisar a construção da cooperação no campo da segurança. A análise foi balizada pelos entendimentos que essas relações foram ditadas pelos interesses internos de cada Estado; que a busca pela consecução desses objetivos sofreu a influência de fatores externos (mundial, regional e sub-regional), resultando em períodos de inimizade/amizade, cordialidade/rivalidade, conflito/cooperação; e que o processo de segurança se deu por interações (públicas e privadas, civis e militares) que permitiram alterações nas percepções de ameaças e, por conseguinte, nas práticas de segurança e defesa. Priorizando a representação documental da história e a empiria sobre a teoria e entendendo que a dinâmica de segurança faz com que haja uma interconexão por meio da qual a estabilidade global influencia na estabilidade regional e vice-versa, a análise englobou o sistema internacional, as organizações internacionais, os interesses dos Estados Unidos (EUA) e sua influência nos arranjos regionais de segurança; e os relacionamentos bilaterais e multilaterais dos Estados e os fatores internos que influenciaram o processo. Durante a Guerra Fria, os regimes militares, a estruturação do aparato de defesa dos Estados do Cone Sul e as relações que se estabeleceram entre eles relacionaram-se aos interesses de segurança dos EUA e a concepções geopolíticas próprias. Nesse período, alguns fatores conduziram a momentos de divergências ou rivalidade ao mesmo tempo em que sua lógica permitiu relações amistosas em decorrência da necessidade de preservação dos regimes e da própria segurança continental. Com o reordenamento do sistema pós-Guerra Fria, as tendências regionalistas, as ações das organizações internacionais, os processos de redemocratização e as alterações dos interesses de segurança dos EUA conduziram a relações baseadas na cooperação com o desenvolvimento das chamadas medidas de confiança mútua, a aceitação do conceito multidimensional de segurança e a novos arranjos de cooperação sub-regionais. Nesse quadro, os mecanismos criados entre os Estados do Cone Sul, especialmente no período pós-Guerra Fria, permitiram a configuração de uma rede de cooperação em segurança na sub-região.

Título: Quando o inimigo ultrapassa a fronteira: as conexões repressivas entre a ditadura civil-militar brasileira e o Uruguai (1964-1973)
Ano: 2009
Instituição: UFRGS

Título: A Política Externa Independente é notícia: o reatamento das relações diplomáticas com a URSS na perspectiva do jornal Correio do Povo (novembro de 1961)
Ano: 2009
Instituição: UFRGS

Título: Relações civis e militares entre Brasil e Estados Unidos durante o governo Dutra (1946-1950): cooperação, resistência, tensões.
Ano: 2009
Instituição: UEM
Resumo: A presente dissertação tem por objetivo analisar a perspectiva do corpo diplomático estadunidense sobre o Brasil, tanto em aspectos civis quanto militares durante o governo do presidente Eurico Gaspar Dutra (1946-1950). As elites político-militares do Brasil tinham propósitos bem definidos à época que visavam a modernização e o desenvolvimento do país. Para tanto, essas elites sabiam que para realizarem seu projeto seria necessária uma aproximação com os EUA. Entretanto, tendo em vista a Guerra Fria no âmbito internacional, colaborar com o desenvolvimento do Brasil não era uma prioridade para os estadunidenses. Consideramos ainda o fato de que governo dos Estados Unidos não desejava o desenvolvimento de uma potência regional. As elites
brasileiras levaram adiante seu projeto de desenvolvimento, mas tiveram dificuldades no cumprimento de suas metas pré-estabelecidas. Na perspectiva da diplomacia estadunidense, o projeto das elites brasileiras se apresentou como um risco maior a hegemonia sobre o Brasil do que a esquerda brasileira.

Título: A construção do Pan-americanismo na revista em guarda: o olhar americano pela defesa das Américas (1941-1946)
Ano: 2009
Instituição: UNESP/ASS
Resumo: Durante o período de publicação da revista Em Guarda (1941-1946) o pan-americanismo apresentou-se como tema privilegiado nas relações diplomáticas entre os Estados Unidos e a América Latina. No decorrer de suas páginas, os norte-americanos apareciam como modelo de sociedade – político, cultural e sociedade – enquanto aos latino-americanos cabia o papel de fornecer matérias-primas para a fabricação de produtos voltados à guerra. Editada pela agência comandada por Nelson Rockefeller, Em Guarda constitui-se em importante documentação na apreensão de uma certa idéia de pan-americanismo defendida pelo governo Roosevelt a partir de 1933. Discutir as estratégias adotadas pelo semanário na construção do discurso de união interamericana sob a ótica dos Estados Unidos é premissa primordial da presente dissertação.

Título: A política externa brasileira no período 1964-1979: o papel do Itamaraty, das Forças Armadas e do Ministério da Fazenda
Ano: 2009
Instituição: UNESP Franca

Título: Tática do exército brasileiro na Guerra do Paraguai entre 1866 e 1868
Ano: 2009
Instituição: UNESP Franca
Resumo: A Guerra do Paraguai contra a Tríplice Aliança (Argentina; Brasil e Uruguai) encontra-se dentro do contexto da Segunda Revolução Industrial. Tal fato levou muitos historiadores a suporem que este seria um conflito moderno; marcado pelas inovações tecnológicas da época; tais como: mosquetes e artilharia raiados; balões; telégrafos; guerra de trincheiras. Contudo; tais inovações tiveram um impacto muito mais tímido do que se supõe; pois os soldados aliados; mais especificamente os brasileiros; não eram bem treinados para extraírem o melhor de seus equipamentos; especialmente as armas portáteis. Assim; pretende-se explorar; por meio da análise de memórias de guerra (diários; cartas e reminiscências) e Relatórios Ministeriais da Pasta da Guerra; até onde tais inovações da era industrial foram capazes de condicionar o resultado do conflito. Nos deteremos; portanto; na fase mais brutal desta luta gigantesca: de abril de 1866 a dezembro de 1868.

Título: A visão do Barão de Mauá sobre a política externa brasileira no Rio da Prata: 1850 - 1865
Ano: 2009
Instituição: UPF
Resumo: Este trabalho busca compreender a visão do Barão de Mauá sobre a política externa brasileira no Rio da Prata durante o período de 1850 a 1865. A partir da sua correspondência emitida aos diplomatas uruguaios Andrés Lamas e Juan José Herrera, o trabalho também analisa a participação de Mauá nas relações diplomáticas entre o Brasil e os países platinos. As fontes utilizadas foram escritas num conturbado contexto histórico, marcado por duas guerras civis no Uruguai, conflitos diplomáticos e intensa atuação da diplomacia brasileira. Irineu Evangelista de Sousa, Barão e Visconde Mauá, teve importante participação nos acontecimentos políticos no Rio da Prata entre 1850 e 1865 e seus escritos ajudam a compreender as complexas relações diplomáticas entre Brasil, Uruguai e Argentina. Ao longo daquele período histórico, os interesses de Mauá no Prata vão tornando-se incompatíveis com a política externa desenvolvida pelo governo brasileiro na região. Num primeiro momento, o presente trabalho analisa os motivos que provocaram a aproximação inicial entre Mauá e a diplomacia brasileira na década de 1850. Posteriormente, é feita a análise da documentação escrita por Mauá na década de 1860, onde estão contidas suas críticas à política do governo brasileiro para o Prata.

Fim do conteúdo da página